Transformar a nós mesmos e o mundo com as idéias da física quântica.

Corpos e Energias Sutis


CORPOS E ENERGIAS SUTIS

Retrato do corpo mental – Para definirmos, de alguma sorte, o corpo espiritual, é preciso considerar, antes de tudo, que ele não é reflexo do corpo físico, porque, na realidade, é o corpo físico que o reflete, tanto quanto ele próprio, o corpo espiritual, retrata em si o corpo mental que lhe preside a formação. André Luiz (Evolução em Dois Mundos).

Temos necessidade de recorrer à existência de outros corpos além do corpo físico? Para essa resposta há muitas sutilezas a serem consideradas, porém a resposta é sim. O corpo físico em toda a sua complexidade físico-química, com milhares e milhares de reações intracelulares, com movimentos moleculares inteligentes e denotando um certo propósito, uma certa finalidade, não seria capaz de explicar todos os fundamentos do ser? A resposta a essa pergunta, no momento atual do conhecimento científico seria não. Todo raciocínio médico atual está baseado na primazia da matéria. Acredita-se que o ser humano e com ele todas as suas potencialidades na arte, religião, ciência, poesia, literatura, capacidade esportiva, criatividade, relacionamentos sociais, pensamentos, sentimentos, intuições são frutos de interações moleculares que ocorrem abaixo de nossas percepções, sem a participação da vontade, e que a capacidade de refletir sobre a própria existência seria também determinada pelo acaso e pela necessidade. Somos todos frutos de movimentos aleatórios de macromoléculas lentamente selecionadas pela natureza através de uma variabilidade genética que não controlamos, movimentos estocásticos, estimulados pelo ambiente que nos cerca. O mais grave talvez seja acreditar na capacidade da matéria em gerar, produzir, elaborar nossos aspectos internos e particulares como: sentimentos, pensamentos e intuições.

A ciência materialista é incapaz de validar esses aspectos internos do ser humano. Baseiam-se em um processo ascendente de raciocínio causal, em uma hierarquia simples onde em um processo linear buscamos no passado a causa do efeito. O átomo é uma totalidade! O átomo é uma individualidade! Porém em sua totalidade e em sua individualidade apresenta componentes que o constitui, possui outros elementos que o sustentam e dão forma, necessita de energia para a sustentação da forma. Trata-se de uma individualidade composta. A molécula é uma outra totalidade! A molecula é uma outra individualidade! Porém surgiu da união entre no mínimo dois átomos. Uma nova forma surgiu onde nada existia e para que ocorra esse surgimento há a necessidade de energia que sustenta essa nova forma. A molécula transcendeu o átomo e o incluiu na sua constituição. E, assim, observando-se toda a evolução da forma nota-se a presença de uma flecha que vai do simples ao complexo e nesse processo de “complexização” há envolvimento de energias que sustentam a sua manifestação. No princípio são forças de atracão e coesão e a medida que novas formas mais complexas surgem, novas possibilidades de manifestação aparecem também mais complexas e em todo processo energias vão se sutilizando a partir de energia densas, passando para a energia vital, energia mental e psíquica e assim por diante.

Esse princípio básico reflete um conhecimento profundo de nossa evolução. A forma posterior transcende anterior e a incluiu em sua constituição. Transcender e incluir. Nesse envolvimento, devemos refletir também com relação à energia. Da mesma maneira que a nova forma envolveu a forma antiga e a incluiu na sua constiutição, a nova energia “envelopou” a energia anterior e a incluiu na sua constituição também. Platão dizia que “desenvolvimento é envolvimento”. No caso da forma, observa-se uma maior complexidade, ou seja, a molécula é mais complexa que um átomo. No caso das energias, há uma sutilização da mesmas. A energia que sustenta uma molécula é mais sutil que a energia que sustenta um átomo e a energia que sustenta uma célula viva é muita mais sutil que ambas e ao mesmo tempo envolve essas energias em sua constituição. Temos então uma noção básica de como estrutura e energia estão relacionados. Quanto maior a complexidade da forma mais sutil é a energia.

Os seres humanos são muito curiosos e buscam a compreensão do universo que os envolve. Nesse processo de busca, o conhecimento humano atinge limites antes não imaginados. O ser humano ainda guarda questões para serem esclarecidas com relação aos seus sofrimentos, com relação ao seu destino, com relação à sua origem, com relação à sua dor, porém buscam no poder de análise, no reducionismo, as explicações para o mundo em que vivemos, algumas vezes esquecendo que esse mundo não é apenas o mundo externo de nossos relacionamentos, mas também o mundo interno de nossas reflexões.

Para levarmos adiante nossas observações sobre os corpos sutis é necessário considerar nosso ambiente interno, nossos sentimentos, nossos pensamentos e nossas intuições. Eles fazem parte da totalidade do ser humano e que, no momento, estão fora da equação. Como dito anteriormente a ciência, baseada na primazia da matéria, é incapaz de validar esses aspectos internos. Buscam todas as explicações em um processo ascendente de causas. Partículas elementares formam os átomos que formam moléculas que formam células(inclusive neurônios) que formam o cérebro e do cérebro emerge a essência, emerge a consciência. A consciência, por esse raciocínio causal ascendente passa a ser epifenômeno do cérebro, passa a ser uma secreção dos 100 bilhoes de neurônios que possuímos.

A física quântica do início do século XX começou a modificar um pouco o cenário acima descrito. Ela foi capaz de trazer para a equação algo que estava esquecido e separado: o observador. A consciência passou então a ser considerada em todos os experimentos, inclusive a experiência da fenda dupla traz para a equação do ser humano a consciência. A matéria, os seus constituintes são ondas de possibilidades. A própria física quântica pode ser compreendida como sendo a física das possibilidades. Nessa experiência, foram lançados elétrons que incidiam em uma superfície sensível porém antes passavam por um anteparo com duas fendas. Caso os elétrons fossem partículas como uma bola de gude, eles iriam produzir apenas duas imagens nessa superfície sensível. Não foi o ocorrido. Observou-se um padrão de interferência típico do comportamento de ondas com várias imagens claro escuro intercaladas. Repetiram o experimento, agora lançando apenas um único elétron. Após certo tempo, observou-se o mesmo padrão de interferência. Como pode isso ocorrer? Um elétron se comportando como onda? Os cientistas queriam mais. Queriam descobrir por qual fenda esse elétron passava. Em que momento eles se dividiam e passavam pela fenda, interferiam consigo mesmo para produzir um padrão de interferência. Colocaram um instrumento de observação antes das fendas para detectar o instante e por qual fenda o elétron passava. O que aconteceu? O elétron que antes produzira um padrão de interferência sem estar sendo observado, agora comportou-se como partícula e produziu apenas duas imagens na superfície sensível. O observador é capaz de colapsar a função de onda do elétron e transformá-lo em partícula. O elétron existe em um campo transcendente, em potentia, e a consciência é capaz de colapsar a função de onda do elétron. A realidade ocorre em dois domínios: POSSIBILIDADES E FATO MANIFESTO e a consciência do observador é o intermediário.

Então se matéria é apenas possibilidade, seguindo o raciocínio de Von Neumam, átomos possíveis são capazes de produzir moléculas possíveis, que produzem células possíveis e cérebros possíveis. No mundo quântico pode-se apenas aumentar as possibilidades e temos que admitir algo fora do sistema capaz de quebrar essa cadeia ad infinitum para, então, formar a realidade. A Consciência, o Espírito é o candidato não material capaz de converter as ondas de possibilidades da matéria em realidade. A consciência escolhe as possibilidades e co-cria sua realidade.

Essa consciência possui sutilezas. Ela sente, pensa e intui, apenas baseando na tipologia psicofísica de Carls Jung. As experiências do ser humano se passa em quatro mundos: 1) as sensações percebidas pelos órgãos dos sentidos estruturado em um corpo físico; 2) Os sentimentos existente em uma manifestacao sutil organizado em um corpo vital; 3) Os pensamentos organizados em um corpo mental e 4) As intuições organizadas em um corpo supramental. A consciência é capaz de manter um paralelismo psicofísico com esses corpos sutis. O corpo físico, o corpo vital, o corpo mental e o corpo supramental. Nossas sensações, nossos sentimentos, nossos pensamentos e nossas intuições. Todos são possibilidades disponíveis para a consciência. A consciência é algo não material e longe de ser um epifenômeno do cérebro é ela quem produz o cérebro e todo o nosso corpo. A consciência faz matéria. Aqui não há dualismo, pois a consciência escolhe sem trocas de sinais pelo fenômeno da não localidade e de maneira descontinua. Há as possibilidades dos sentimentos, há as possibilidades dos pensamentos e há as possibilidades das intuições. A matéria é possibilidade bem como as energias envolvidas e os campos envolvidos.

Temos agora a compreensão da física quântica do que vem a ser nosso EGO. Todo o conjunto de experiências vivenciadas pelo Espirito em evolução em todos esses corpos constitui o EGO. As possibilidades são muitas e o Espirito acaba se condicionando a escolhas rotineiras criando seus hábitos e seu caráter. O momento atual da evolução pede uma integração entre sentimento e pensamento. Como se estivéssemos educando as potencialidades do EGO e a medida que sua depuração ocorra acontece um desprender dos corpos mais densos, das energias mais densas e o espirito ousaria em outras dimensões. Pede também uma coerência para a aquisição de circuitos cerebrais das emoções positivas onde o significado do pensamento e o movimento da energia vital do sentimento, sentido em nossos centros vitais, devam ser representados no corpo físico em ações coerentes. Vivenciar o discurso! Isso agora faz sentido!

O aumento da complexidade da forma permite uma maior complexidade de expressão do Espírito utilizando-se de energias cada vez mais sutis. Essa é a síntese!

Abraços fraternos

Milton Moura

20120612-073807.jpg

Comentários em: "Corpos e Energias Sutis" (6)

  1. Kátia Maria de Oliveira Franco disse:

    Que espaço maravilhoso Milton e fiquei aqui me perguntando será que poderia compartilhar a mudança de meu olhar para vida, pois como Amit Goswami nos disse “O OLHAR MUDA TUDO” e como tenho estado em estado de graça devido a este novo olhar que se amplia e amplifica em mim. Mesmo sem a sua resposta resolvi partilhar um pedacinho da FELICIDADE que instala em meu coração à medida que adentro no mundo das possibilidades, no mundo quântico!

    A orquestra dos galos!

    Kátia Maria Franco

    A cidade acordou com uma verdadeira orquestra de galos – Cocoricóoooo – Uhuhuhuuuuuuu – Cocouhuhuhuh – Uhuhuhuhcoricocouhu – E dentre todos estes sons um diferente que parecia mais um zumbido eletrizado Brbrbrzummbrbr – Fiquei pensando – deve ser um sapo que busca fazer parte desta sinfonia nesta manhã… Preguiçosamente abrir os olhos e o dia ainda estava escuro, virei para o lado em minha cama que ainda estava quente… Espreguiço… Fecho os olhos buscando conciliar meu sono ao som gostoso da melodia dos Cocoricós… Mas já estou desperta… Levanto… E resolvo fazer as “velhas/novas” coisas que faço todas as manhãs, beber meu gostoso copo com água, mas gostoso mesmo é beber o copo d’água (rsrsrs) por o lixo para fora, ver como anda a cozinha para preparar meu café… O texto desde o primeiro momento que ouvir os galos entoando seu canto matinal que começa a crescer em mim… Lembro que “preciso” meditar… Volto ao quarto sento, fecho os olhos e posso observar feliz que o tagarelar em minha mente tem diminuído numa velocidade inimaginável por mim algum tempo atrás… Inspiro… expiro… RESPIRO e busco adentrar no UNIVERSO que habita meu ser… Tiro o foco da orquestra que canta lá fora e busco sintonizar com a orquestra que também habita em mim… Anhããã… humm… Anhããã Assim escuto o meu respirar e percebo um novo som se ampliando dentro deste mundo interno bum… sqbum… bum… Gostosamente percebo que o som que vem de meu velho e surrado coração… E ao conectar com este som as palavras parecem jorrar como um vulcão. Penso! Tem jeito não, preciso escrever… E no meio a inspiração respiratória, conecto com a inspiração divina e uma paz se instala aqui… Sento abro o notebook e as palavras simplesmente fluem… Sou apenas intermediária de algo que não saberia explicar… E veja só quem vem me fazer companhia neste momento um BEM-TE-VI… Afino a minha percepção e vejo que os galos se calaram… Agora há outros pássaros que junto com o bem-te-vi alegram a minha manhã… Levanto e olho pela varanda e ele está ali pousado em meu muro a cantar – Bem-te-vi… E feliz estou eu a lhe responder… Bem! Eu te vi… Penso em pegar a máquina fotográfica, mas ele foge ao sentir minha presença, com mais dois canários que estavam enfiado num grande planta que existe no meu projeto de jardim… Olho para o céu e as nuvens ainda estão bastante carregadas, apesar da chuva gostosa que saiu na madrugada lavando não só o chão como também a minha alma que se despede cada dia mais da negatividade que anda por aí e aqui, quando me deixo contaminar… Há um frescor no ar… Olho para o lado e vejo o rio majestoso e muito cheio em seu encontro com o mar… Há também um cavalo tranquilo fazendo seu desjejum… Ao fundo vejo a ilha muito verde… Privilégio morar onde o rio se encontra com o mar e privilégio maior poder ver esta cumplicidade diária da varanda de casa… Então penso não seria eu uma pessoa FELIZ? Sempre digo que tenho a consciência de ser uma mulher FELIZ e que de vez em quando enfrenta tempestade… Mas onde estaria o dinamismo da vida se não fosse por essas tormentas? Que graça teria ao rio não poder acrescentar em seu leito as chuvas que de vez em quando caem avolumando suas águas e, desta forma, facilitando o seu encontro com o mar… Interessante perceber o quanto se faz necessárias as tempestades, com seus ventos e todos os seus desafios para levar o rio ao seu objetivo maior que é encontrar com o mar… Fantástico observar que o rio se encontra ao se perder no mar… Ele se encontra ao se entregar a infinitude do desconhecido… E sinto que toda esta paz conquistada que se instala mansamente em mim, começou quando me permitir ser como o rio que flui… E ela vem à medida que deixo para trás os medos e sigo ouvindo e vendo a vida simplesmente como ela é… Ela chega quando me permito perceber a MAGIA da vida em movimento num simples galo que canta, numa flor mesmo de rua que brota; numa manga que prazerosamente degusto, numa manhã que mesmo sem sol me mostra o quanto é SIGNIFICATIVO VIVER! Mas, veja que incrível, os galos voltaram a bradar, o bem-te-vi a me saudar, os passarinhos a cantar e o sol majestoso e feliz com seus raios dourados chega mansamente a minha varanda pra me dizer: Bom Dia Kátia Maria, com tanta beleza nesta manhã, por certo, eu não poderia faltar… E penso reafirmando aqui no mais profundo de minha alma, vida sem desafios não é vida… Vida é MOVIMENTO… vida é DINAMISMO… vida é PERCEPÇÃO… vida é ENERGIA… vida é FELICIDADE quando me permito abrir os olhos não só da mente, mas ESCANCARAR OS OLHOS DE MEU CORAÇÃO!

    • MILTON CESAR
      Que alegria…
      Que ótima e bela oportunidade que temos para nos aprofundarmos em um novo conceito de se viver melhor,com seus estudos sobre a física quântica. Ela trara n possibilidades de novas mudanças, novos rumos e com ela deixar de existir o homem velho.
      resgatou o observador.
      Ela vem provar que temos que ter mais fé, acreditar mais em algo maior,pois não podemos mais separar. E como você disse : esse principio básico reflete um conhecimento profundo de nossa evolução.
      Transcender.:
      De onde viemos,quem somos e para onde vamos.Nesse processo de busca estamos sempre querendo compreender o universo, e a quântica vai nos trazer, eu sei, uma visão diferenciada para que possamos caminhar mais harmonicamente nos desafios da vida.
      Parabéns amigo irmão.
      Que DEUS te ampare e amplia seus votos de conhecimento.
      Meu muito obrigado de sua irma menor

  2. Maria José de Aguiar Woehl disse:

    Estou extramente feliz ao saber que através da FÍSICA QUÂNTICA, NOS, ATIVISTAS QUÂNTICOS podemos samear sementes que AMIT GOSWAMI plantou em nossos corações.
    Quando observamos o mundo em sua totalidade, compreendemos que somos todos da mesma matéria, (ENERGIA) e que o UNIVERSO É UMA SOPA QUÂNTICA, onde podemos usar os tempeiros do AMOR, BELEZA, BONDADE, JUSTIÇA E COMPAIXÃO. ÉIS ALQUIMIA DO VIVER!

    Milton, que sua presença seja O ELO PARA A CURA DO PLANETA.
    GRATIDÃO E AMOR MARIA jOSÉ

  3. Olá Milton! Estava aqui navegando pelo seu site. Muito bom, muito gosotoso de ler, parabéns! Agradeço, em nome da raça humana *rs, a sua ajuda no nosso salto quântico da consciência!!! : ) urgente!! Forte abraço!

  4. larissa monteiro disse:

    Humm parabéns Milton César!!
    Ficou extraordinário navegar por esse site.
    Tudo muito belo!!
    Parabéns!!
    Que você possoa continuar com essas idéias brilhantes!!

  5. Walmir Pereira Ferreira Junior disse:

    Olá Milton! O meu nome é Walmir venho visitando o seu site algumas vezes e hoje resolvi deixar um comentário. Parabéns pelo seu texto, pois através dele pode-se convencer a um individuo com princípios de “São Tomé” (ver para crer) que a existência de uma força maior, sempre esteve com o homem, permitindo sua evolução através da história humana, para que um dia possa alcançar a consciência que o sustenta.
    Obrigadão. e caso queira conversar o meu email é korikancha@bol.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: